AO VIVO:

Carregando

Carregando

Carregando

Federação de Automobilismo anuncia categoria W Series, voltada para as mulheres

Ontem, a Federação Internacional de Automobilismo anunciou uma categoria da Fórmula 1 voltada para mulheres: a W Series. A ideia é criar um novo campeonato internacional aberto, a partir de 2019, a fim de acelerar o ritmo feminino na F1 e eleger a primeira campeã mundial.

O circuito da W Series começará em maio do ano que vem e incluirá seis corridas em circuitos de toda a Europa. Os carros serão todos iguais, fornecidos pelos organizadores. Equipados com um motor turbo de 1.8 litros, aerodinâmica ajustável e pneus suaves. Todas as pilotas terão a disposição o sistema de segurança HALO, o mesmo utilizado na categoria masculina.

O ex-piloto de Fórmula 1 David Coulthard, o engenheiro de design Adrian Newey e o ex-gerente de equipamentos experientes como McLaren, Manor Dave Ryan, estão entre os responsáveis por selecionar de dezoito a vinte competidoras.

Segundo as informações, a primeira temporada distribuirá 1,5 milhão de dólares (R$ 5,6 milhões na cotação atual) como premiação.

A CEO da W Series, Catherine Bond Muir, acredita que “as mulheres no automobilismo são uma raridade hoje”, mas com o novo campeonato esperam “transformar a diversidade deste esporte e talvez até encorajar mais meninas a se dedicarem a profissões que não haviam considerado antes. Isso vai significar tanto para nós como ajudar a desenvolver um campeão mundial de Fórmula 1”, acrescentou Catherine.

Porém, a ideia parece não ter agradado a todos. Pippa Mann, pilota da Indy 500 disse que a introdução de uma série feminina representaria um retrocesso para as mulheres que esperavam competir no mais alto nível.

“Que dia triste para o automobilismo. Aqueles com financiamento para ajudar corredores do sexo feminino estão escolhendo segregar em vez de apoiá-los. Estou profundamente desapontada por ver um passo tão histórico para trás em minha vida”, publicou Mann em sua conta oficial do Twitter.

Pilota da F3, Sophia Floersch também foi contra. “As mulheres precisam de apoio de longo prazo e parceiros de confiança. Eu quero competir com o melhor do nosso esporte. Por favor, compare com a economia: Precisamos de uma diretoria separada de mulheres/ conselhos consultivos? Não”.

Charlie Martin, o primeiro piloto de corrida transgênero a participar das 24 horas de Le Mans, deu entrevista à CNN e colocou seu ponto de vista sobre a W Series. “Embora possa criar oportunidades para algumas motoristas do sexo feminino, ele envia uma mensagem clara de que a segregação é aceitável”.

  • COMPARTILHE
VEJA TAMBÉM

ENVIE SUA MENSAGEM

Peça sua música ou mande um recado para os locutores