AO VIVO:

Carregando

Carregando

Carregando

'Coringa' acusa seguranças de tortura e espancamento em evento de game

Olhar Digital



Brasil Game Show, ou BGS. Para muitos fãs de games e da cultura geek, participar de um evento desses é a realização de um sonho. Cinco dias cercados por games e outros gamers, com a chance de experimentar lançamentos em primeira mão e se encontrar com os criadores de seus jogos favoritos. Mas para um participante do evento, o cosplayer profissional Michael Giordano, de 34 anos, a festa rapidamente se transformou em um pesadelo; ele diz ter sido espancado e torturado por seguranças do evento.

Giordano tradicionalmente se veste como o Coringa de Heath Ledger, e neste ano foi vestido de enfermeira, em alusão à cena em que o vilão entra em um hospital para conversar com Harvey Dent.

Depois de duas horas dentro do Expo Center Norte, local do evento, o cosplayer decidiu sair para retocar sua maquiagem e beber água, mas antes perguntou a um segurança se conseguiria retornar sem problemas e ouviu que sim. O problema foi que ao retornar, pouco depois, não conseguiu entrar, já que o QR Code do seu ingresso constava como usado.

Michael tentou conversar com um dos coordenadores da Brasil Game Show, explicando a situação. Mas após uma ligação para um supervisor, ficou sabendo que realmente não poderia retornar.

Exasperado, Michael acabou xingando o segurança que lhe deu a informação errada: 'Pô, que cara filha da p***. Acabou com meu rolê', disse ele em um vídeo em que relata o caso no Facebook. Ao ouvir isso, dois outros seguranças se aproximaram reafirmando que ele não poderia voltar ao evento. Michael, então, diz que simplesmente respondeu: 'não se mete que eu tô falando com o pessoal aqui'.

Imediatamente, o cosplayer tomou uma gravata. Se debatendo, ele teria acertado um dos seguranças, que revidou com um soco no olho esquerdo de Michael. O rapaz teria sido arrastado até uma sala, onde ficou trancado com os seguranças.

Show de horrores

Durante quase 30 minutos ele diz que foi espancado e torturado por 12 seguranças; que suas pernas foram queimadas com cigarros, e como consequência dos golpes sofreu nove fraturas, entre elas uma costela quebrada que causou uma perfuração no pulmão.

Já machucado, ele diz que os seguranças o colocaram em pé com o rosto contra a parede e deram início a uma 'tortura psicológica'. Segundo ele, os seguranças ameaçaram o estuprar e, por várias vezes, ouviu que iria morrer.


Michael ficou um dia e meio internado em um hospital, com um dreno colocado em seu pulmão. E diz que 'a BGS não fez nada' para socorrê-lo. O cosplayer afirma que tem imagens dos seguranças removendo câmeras de vigilância, e que 'todo mundo' que passava perto da sala podia escutar seus gritos.

Ao procurar a organização do evento através do Facebook, Michael ouviu apenas que 'para apurar o ocorrido deveria encaminhar o boletim de ocorrência e relatório de entrada no hospital'.

O outro lado
Procurada pelo Olhar Digital, a Brasil Game Show respondeu que a organização está 'apurando todos os fatos com a cautela que o caso exige'. E, em nota, informou:

'Desde segunda-feira, quando a BGS foi procurada pela advogada Daniela Conti, representando o senhor Michael Giordano Martins Pereira, estamos debruçados sobre o caso para, com a devida cautela, apurar e colaborar com os órgãos competentes para a elucidação dos fatos, sem julgamentos precipitados que possam comprometer os envolvidos, sejam o denunciante, os denunciados e a Brasil Game Show'. 

  • COMPARTILHE
VEJA TAMBÉM

ENVIE SUA MENSAGEM

Peça sua música ou mande um recado para os locutores